post-image

Terra Nossa Ireceense

Terra nossa ireceense

Pedro Henrique Pereira Soares

Eu começo lá de longe

falando sobre minha Bahia

abriga raízes no horizonte

terra mãe, da noite ao dia,


Terra de Gilberto Gil,

Raul Seixas e Carlinhos Brown

terra mãe do samba

que espanta qualquer mau,


Semblante de resistência

vai “levanta a poeira”

berimbau mostra essência

pros golpes de capoeira,


Um batuque , uma reza

se faz na religião

há preconceito que despreza

mas candomblé de pé no chão,


Vamo logo se achegando

lá pro meio do interior

pois vá se assustando

Bahia não é só Salvador,


A caminhada foi longa

se deu numa cansada

já até ficando tonta

come logo essa buchada,


Também tem umbu,

carne de bode e mandioca

maxixe, jerimum,

um beijuzin de tapioca,


Futebol é história,

só se vê gritaria,

aqui uns torce pro Vitória

outros pro Bahia! Bahia!


Nossa região ireceense

não é pequenina não

somos municípios, um, a um

somados vinte e nove no total,


América Dourada, João Dourado,

Barra do Mendes, Ibipeba,

Bonito, Barro Alto,

Cafarnaum, Itaguaçu da Bahia,


Central, Mulungu do Morro,

Ibititá, Canarana,

Irecê, Gentio do Ouro

Jussara, Buritirama,


Lapão, Presidente Dutra,

Uibaí, Morro do Chapéu

Muquém, Brota de Macaúbas,

Barra, São Gabriel,


Oliveira dos brejinhos,

Xique-Xique, Ipupiara,

tem ainda Ibotirama

e por fim Morpará,


Um berço de manifestos

de culturas nordestinas

que de expressões e afetos

guardam muito na budeguinha,


Pra finalizar festejos

em comemoração de Natal

já se presta o Reisado

elemento de formação cultural,


Uma zabumba e o pandeiro

violão e a sanfona,

o triângulo no berreiro,

agogô e forró na coxa


Se achegue no arraiá

nas festas de São João

vou te chamar pra dançar

o arrasta pé e o baião,


Tu vai comer amendoim

um bolinho de fubá

um quentão ou quentin?

e ainda tem mugunzá,


Região de solo fértil

produtora de mamona

povo forte e gentil

agricultura que se soma,


A roda de São Gonçalo

pagamento de promessa

ao Santo homenageá-lo

por isso feito festa essa,


Terra de muito cordelista

aqui se respira à poesia

faz se laço na escrita

e ainda tem cantoria,


A pluralidade é real

não se rejeita ninguém

evento de heavy metal

e de forrock tem também,


Tem até batalha de rap

em vários dos municípios

precisando de destaque

as rimas não são um vicio,


O preconceito ainda é grande

paralisa os horizontes

mas daqui, mas adiante

há de minar uma nova fonte,


Cheia de respeito

e da tal empatia

amor e afeto

resultando em alegria,


A cultura é a marca

que o povo sempre carrega

deve ser valorizada

e dela nunca desapega

Publicado em: 19/11/2020 às 4:04